A exposição aborda a história geológica do Brasil e sua repercussão no momento atual, remontando a origem dos combustíveis fósseis em nosso território, as pesquisas e as tecnologias envolvidas em sua prospecção e exploração.

A entrada da exposição é feita através de um túnel em curva que convida o visitante para um mergulho, do presente ao passado, até chegar a 200 milhões de anos. A passagem do tempo acontece através de sons, projeções de datas e imagens nas laterais do túnel, acionadas à medida que o visitante avança até a Floresta do Jurássico.

 

Uma trilha entre araucárias e samambaias, com grandes troncos fósseis expostos pelo percurso, conduz o visitante pela floresta entre sons, ruídos, névoa e aromas.

 

A trilha conduz a sala do Âmbar, composta por expositor-projetor multiusuário que amplia a imagem dos fósseis nas paredes. Uma iluminação cenográfica em tons amarelos vai inundando a sala até que se torne ela mesma toda Âmbar, envolvendo o visitante, para escurecer em seguida em ‘fade’.

 

Na Sala Oval, as laterais formam nichos para expor fósseis originais - insetos, aranhas, escorpiões, plantas, flores, penas, esqueletos de vertebrados, peixes e réplicas de crocodilos. No centro da sala um Globo Terrestre de 2 metros, detalhado em alto relevo (acessibilidade), apresenta a posição do Brasil no Cretáceo e a disposição paleogeográfica dos continentes. O globo pode ser girado manualmente em duas direções, permitindo o acesso tátil e visual à esfera completa. Uma animação interativa da Pangeia, permite ao visitante conhecer a deriva continental ao longo do tempo. A bancada do geólogo reúne o ferramental usado na pesquisa de campo. Toda a sala possui fósseis em relevo nas paredes para atender aos usuários especiais com baixa visão.

 

A passagem da Água para a Terra se dá através da instalação com réplicas de gastrópodes de diversos tamanhos movimentando-se lentamente sob projeção de água que invade todo o espaço.

 

Periscópios cenográficos permitem visualizar em que profundidade encontram-se soterrados os microfósseis que deram origem ao petróleo. Um painel eletrônico com mapa interativo mostra a localização das maiores reservas já descobertas no Brasil e a distância em que estão do continente. O aparato da Sedimentação permite ao visitante depositar rochas sobre fósseis e acompanhar passo a passo sua transformação
em petróleo. Um grande expositor retro iluminado apresenta belas imagens de microscópio eletrônico de microorganismos.

 

O fluxograma eletrônico e tátil, com a cadeia produtiva do petróleo e seus derivados permite ao visitante conhecer os processos de refino
e suas etapas. Tubos transparentes contendo diferentes tipos de petróleo expostos nas paredes compõem a cenografia.

Um painel rotativo contendo retratos de brasileiros de todos os tipos desafia o visitante a identificar a profissão de cada pessoa que colaborou para a realização da mostra, completando o percurso.

 

Frases e poemas ligados ao tema permeiam o espaço, aprofundando o olhar sobre o passado, refletindo sobre sua repercussão no momento atual e seus impactos no futuro.

 

Local: Casa da Ciência

Exposição Itinerante

Caminhos do Passado

Ano:2012

Cliente: Casa da Ciência - UFRJ

Caminhos do Passado: Tunel do Tempo
Caminhos do Passado: Floresta do Jurássico
Caminhos do Passado: Poema Monteiro Lobato
Caminhos do Passado: Jurássico
Caminhos do Passado: Mapa das Bacias Sedimentares
Caminhos do Passado: Painel de Microorganismos
Caminhos do Passado: Periscópios
Caminhos do Passado: Fóssil
Caminhos do Passado: Fóssil
Caminhos do Passado
Caminhos do Passado
Caminhos do Passado
Caminhos do Passado: Tunel do Tempo